Morin

Viagem

“Uma carta de Roland Barthes datada de Hendaye, 12 de agosto de 1954 (a própósito do livro d´Edgatr Morin O Homem e a Morte).

Querido Edgar, 
Acabo de ler seu livro, de um fôlego só, aqui onde me encontro nesses primeiros dias de repouso, e é preciso que eu lhe diga imediatamente, de qualquer maneira, e com toda a retórica de amigo posta de lado, eu lhe asseguro, o efeito profundo que ele me causou. Eu direi isso de uma só vez, talvez muito mais como autor, mas que me saiu espontaneamente do coração enquanto eu lia; como eu gostaria de ter escrito isso, e não apenas (mas também) pela vivacidade, a amplitude de visão, a verdade incontestável das descobertas, esta aliança perfeita de inteligência e de generosidade, mas também mais secretamente, pelo êxito admirável de uma tentativa fundamental de desmistificação. Certamente, eu lhe digo sem nenhuma falsa humildade, eu não teria sido capaz de escrever seu livro; mas devo dizer também que o que você conseguiu, é exatamente aquilo que eu queria fazer para  vários problemas; além do mais, em todo conteúdo do livro você colocou a dialética do intelectual contemporâneo com relação ao mundo, da maneira que eu entendo. Eu fiz anotações sobre seu livro e elas me servirão ainda durante muito tempo, mas acima de tudo, uma aquisição de ciência e idéias  que me são fundamentais, ele me deu a alegria de encontrar fundamentada em verdadeira práxis a situação teórica et ideal do escritor de hoje. Eu te asseguro que é verdadeiramente, um pouco, como se você o tivesse escrito expressamente para mim, tal a minha empatia com ele.
Eu lhe digo tudo isso numa atmosfera de férias: eu estou diante de uma praia cheia de gente, e o tempo está ótimo (...)
Teu amigo
Barthes.”
O fio das idéias por Françoise Bianchi, Uma Eco-Biografia intelectual de Edgar Morin. Éditions du Seuil, nov. 2001, Paris. Tradução livre Nurimar Falci, São Paulo 2001.

“Aqui, as palavras Love, Happiness, Peace, Freedom tem um sentido muito forte, muito puro. São palavras fundamentais para a nova sociedade, religião, que querem nascer: Peace significa não apenas:’ Paz ao Viet-nan’, mas também: A paz esteja entre nós, a paz esteja com vocês, eu quero minha paz interior.’
(...) A odisséia dos Beatles: viagens à India, a procura do guru, a droga, a paz, John Lennon e Yoko... Eles vivem alegoricamente a procura de gerações jovens desde 1960. ‘Nós somos influenciados por tudo isso que acontece (ah, eu também), diz Johon Lennon.
(Não esquecer de escrever sobre os Beatles e os Rolling Stones, quando eu fizer meu estudo sobre a revolução da juventude).
(...) aqui e agora na Califórnia, acontece a mais profunda revolução científica, técnica, moral, antropológica. 
Diário da California, Éditions du Seuil, 1970. Paris. Tradução livre Nurimar Falci, São Paulo, 2001.
 
“Minhas viagens muito freqüentes, muito rápidas, que eu anoto no meu diário, podem certamente fazer de mim um tipo de intelectual-jte, mas sob a condição de não ver nada do resto: eu faço minhas comprar no mercado Enfants Rouges, eu vou ao açougue, à mercearia, tomo o metrô, o ônibus, freqüento os desconhecidos Who´s who. Além do mais, o leitor pode livremente se dar conta que minhas ideias, minhas reações, curiosidade não são aquelas do tipo intelectual, e que meus amigos queridos não fazem parte da Nomenklature parisiense.
O leitor pode ficar admirado de encontrar um homem comum, anti–imagem, anti –idolo, um indivíduo que revela e não dissimula sua subjetividade. Eu dou conscientemente as armas a todos aqueles que querem me superficializar (“Ah, ele ri com Três Patetas”, ele gosta dos Columbo, dos Star Trek, ele se interessa por Derrick e não por Derrida, ele presta conta dos seus prazeres e desprazeres gustativos, ele ousa anotar as conseqüências dos seus excessos gastro-enológicos”).
Chorar, Amar, Rir, Compreender. Jan.1995 – 31. 1996. Arléa, Paris, 1996. Tradução livre de Nurimar Falci, São Paulo, 2001.

Escreva sobre Viagem

Digite o resultado da operação matemática abaixo:



Resultado

mais recentes

o que é?

A seção círculo poético é a espinha dorsal deste site. 64 palavras-chave foram selecionadas pela pesquisadora Nurimar Falci, sob orientação de Morin, para proporcionar um acesso inusitado, lúdico e participativo à obra do pensador francês. As palavras são associadas aleatoriamente aos 64 cubos que formam um cubo maior: clique em "índice" para visualizar a disposição espacial das palavras.

Através do "console" (no canto superior direito, abaixo da faixa vermelha) você poderá navegar para as 6 palavras que fazem "fronteira" àquela em que você se encontra.

Leia o texto de Morin, e escreva sobre a palavra-chave que despertar seu interesse...

cima tras dir esq baixo frente
forma